Diferenças entre Renda Fixa e Renda Variável

 

As Diferenças Entre Renda Fixa e Renda Variável ainda gera dúvidas entre os investidores iniciantes. Os investimentos estão separados entre esses dois grupos. Varemos agora quais são as características de cada um deles e suas principais diferenças.

 

Renda Fixa

 

Ao investir em ativos de Renda Fixa o investidor sabe desde o momento da compra quanto ele receberá no término do prazo contratado, seja em valor nominal (prefixado) ou pela variação de algum índice (pós-fixado). Sendo assim, é o tipo de investimento de baixo risco, recomendado para investidores com perfil conservador.

 

Classificação de Investimentos em Renda Fixa

 

Os investimentos em Renda Fixa, em geral, são aplicações em títulos de dívida. Sendo assim, é quando o investidor adquire um título emitido por uma empresa privada ou pública, com o direito de receber juros sobre o prazo negociado. Eles podem ser classificados em:

 

Tipo de emissor: empresa pública (governo) ou privada;

Rentabilidade: títulos prefixados ou pós-fixados.

 

Os Investimentos Prefixados são aqueles em que o investidor sabe da rentabilidade (nominal) no momento da aplicação. Ou seja, o investidor sabe exatamente quanto irá receber no final do prazo contratual.

Como exemplo podemos citar o Tesouro Prefixado 2023 (ou LTN), que está com rentabilidade de 9,59% a.a. (no dia 12/09/17). Como você adquira este título você receberá o total dos juros compostos de 6 anos. Ou seja, a cada ano decorrido a sua aplicação rende 9,59%, gerando juros sobre juros. No final destes 6 anos você receberá o valor aplicado no título mais os rendimentos.

Nos Investimentos Pós-fixados ocorre o contrário dos prefixados, onde só se sabe do rendimento da aplicação na data de recebimento. Nas aplicações pós-fixadas, usa-se como base algum índice (taxa), essa taxa está sempre oscilando, por conta disso é impossível conhecer o valor exato do investimento no momento da compra do título.

Um exemplo de título pós-fixado é o Tesouro Selic (ou LFT). Mesmo que atualmente a taxa Selic esteja em 8,15% a.a. (dia 12/09/17), você não terá esse rendimento todo o período de investimento, a taxa pode tanto aumentar como diminuir.

Não se confunda pelo nome, mesmo chamando-se Renda Fixa, os títulos de renda fixa não são imunes a oscilações, ainda que sejam mínimas elas ainda ocorrem. Isso acontece por conta das variações da cotação do título no mercado financeiro.

Um ponto positivo da Renda Fixa é o baixo risco. Pode acontecer de o emissor não cumprir com a obrigação e dar calote. Porém as chances são extremamente baixas. Tanto é que alguns investimentos, como a poupança, CDB, LCI e LCA contam com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante o recebimento do seu dinheiro investido, mesmo que o emissor entre em falência.

 

São aplicações de renda fixa:

 

  • Títulos Públicos;
  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • Letras de Crédito Imobiliário (LCA);
  • Caderneta de Poupança;
  • Debêntures;
  • Fundos de Renda Fixa;
  • Fundos DI.

 

Renda Variável

 

São investimentos que não temos conhecimento prévio da remuneração que iremos obter na data de resgate. Portanto, o valor a ser resgatado pode ser tanto maior, igual ou menor do que o valor da aplicação. As aplicações em renda variável não são recomendadas para pessoas de perfil conservador. O perfil de investidor que faz esse tipo de investimento se enquadra no moderado e dinâmico.

O investimento mais conhecido de renda variável são as ações. Os preços das ações sofrem oscilações constantes, refletindo os diferentes interesses dos acionistas.

A grande diferença entre a renda fixa e a renda variável é que na renda fixa, mesmo que o seu rendimento seja baixo, o investidor não perde o capital investido. Já no mercado de ações, é possível não ter rendimentos como também perder dinheiro.

Em contrapartida, investimentos em ações possibilita retornos muito maiores do que a renda fixa. Portanto, mesmo os riscos sendo altos, o retorno também é maior.

 

São considerados investimentos de renda variável:

 

  • Ações;
  • Câmbio;
  • Ouro;
  • Derivativos;
  • Fundos de Ações.

Agora que você já sabe as diferenças desses dois tipos de investimentos, cabe a você escolher o que melhor adequa ao seu perfil de investidor.

Uma maneira de aumentar seus rendimentos e diminuir os riscos de suas aplicações no geral é diversificando a sua carteira. Saiba como criar uma carteira com baixo risco e multiplicar seus rendimentos clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *