Tesouro Direto: O que é?

 

O Tesouro Direto são títulos públicos de renda fixa que o governo emite para financiar a dívida pública nacional. Os investidores o adoram pois ele possui características como baixo risco, baixo custo, previsibilidade, liquidez diária, entre outras.

Mesmo assim o número de investidores no Tesouro Direto é extremamente baixo comparado à outras aplicações. Em um país de aproximadamente 200 milhões de habitantes, onde mais de 140 milhões possuem contas bancárias, somente cerca de 1 milhão de brasileiros investem nos títulos do Tesouro Direto. Muitas pessoas não sabem como o Tesouro Direto funciona e, por conta disso, acabam “perdendo” dinheiro.

 

O que são títulos Públicos?

 

Os títulos públicos são ativos de renda fixa, ou seja, seu rendimento pode ser dimensionado no momento do investimento. Os títulos públicos possuem menor volatilidade do que outros títulos de renda variável, por conta disso, este tipo de investimento é considerado mais conservador, por possuir baixíssimo risco de investimento.

Quando você compra um título público, você está emprestando dinheiro para o governo brasileiro em troca do direito de receber no futuro uma remuneração por este empréstimo, ou seja, você receberá o que emprestou mais os juros sobre o valor desse empréstimo. Dessa maneira, você é beneficiado com os rendimentos de aplicação financeira segura e rentável, como também teoricamente ajuda o país a promover seus investimentos em saúde, educação, infraestrutura e etc.

 

Tipos de títulos públicos

 

O Tesouro Direto possui diversos títulos, eles são divididos entre os grupos de títulos Prefixados e Pós-fixados.

 

Os títulos Prefixados são aqueles que no dia da compra, você sabe exatamente quanto irá receber na data de vencimento do título. Esse tipo de título é indicado caso você achar que a taxa contratada no título seja maior que a Taxa Selic (taxa de juros básica da economia) futura. Ou seja, em previsões de baixa na taxa Selic, seria aconselhável adquirir um título prefixados, pois ele estará rendendo acima da Taxa Selic.

Os títulos Pós-fixados são aqueles cujo o valor é corrigido por um indexador, ou seja, você não saberá exatamente quanto receberá na data de vencimento da aplicação. A rentabilidade destes títulos ou são compostas pela Taxa Selic ou por uma taxa predefinida no momento da compra mais a variação do IPCA, que é o índice oficial que se usa para medir a inflação do país.

 

Agora que você já conhece os tipos principais de títulos públicos, vamos seguir para as características dos títulos que são oferecidos pelo Tesouro Direto.

 

Tipos de títulos do Tesouro Direto

 

Juros Prefixados – LTN

Este título possui uma rentabilidade definida (taxa prefixada) no momento da compra. Você receberá seu dinheiro de volta de uma só vez na data de vencimento do título, ou na data que resolver vender o título antecipadamente.

Não importa se a taxa básica de juros do país cair ou subir, na data de vencimento você receberá a taxa que o Tesouro informou no ato da compra do título.

 

Juros a cada 6 meses – NTN-F

É parecido com o LTN, por se tratar de título com rentabilidade prefixada, acrescida de juros definidos no momento da compra.

A diferença é a forma que você vai receber os juros. O pagamento de juros é realizado semestralmente. O valor do título é pago na data de vencimento ou do seu resgate.

 

IPCA + Juros – NTN-B Principal

É um título com a rentabilidade vinculada a variação do IPCA, acrescida de juros definidos (prefixados) no momento da compra. O pagamento sempre é único e feito na data de vencimento. São títulos de longo prazo, para quem está poupando para a aposentadoria.

 

IPCA + Juros a cada 6 meses – NTN-B

É muito parecido com o título anterior, com a diferença de que você receberá os juros a cada 6 meses. Possui rentabilidade vinculada a variação do IPCA, acrescida de juros definidos no momento da compra.

O valor do título é pago na data de seu vencimento ou de seu resgate.

 

Taxa Selic – NTF

Título com rentabilidade diária vinculada a taxa de juros básica da economia (taxa média das operações diárias com títulos públicos registrados no sistema SELIC, taxa Selic). O pagamento é único e feito na data de vencimento do título ou de seu resgate.

 

Vantagens dos Títulos Públicos

 

Os títulos rendem mais que a caderneta de poupança, fundos de investimento DI e de renda fixa oferecidos pelos bancos.

Estes títulos são os mesmo que os fundos de previdência privada compram para fazer o dinheiro da sua aposentadoria render.

Mas para fazer este serviço para você, os fundos e planos de previdência cobram taxas elevadas que diminui o seu rendimento.

 

  • Baixo risco: é uma aplicação garantida pelo Governo Federal. Então para o Governo Federal falir, todo o Brasil precisa falir primeiro.
  • Baixo custo: comparados com investimentos de renda fixa (como fundos), geralmente o Tesouro Direto possui as menores taxas administrativas.
  • Acessível: já é possível iniciar uma aplicação com R$ 30,00. Já os fundos com melhor rentabilidade oferecidos pelos bancos são exclusivos para pessoas que possuem grandes quantias para investir.
  • Liquidez: é possível resgatar sua aplicação antes do vencimento. O Tesouro Nacional garante a recompra dos títulos todas as quartas-feiras. Porém nem sempre o resgate é vantajoso.
  • Vantagem tributária: O imposto de renda (IR) só é cobrado no momento de saída do investimento, ou no recebimento das parcelas semestrais, depende do tipo de título escolhido. Nos fundos de investimentos de renda fixa, por outro lado, o imposto é recolhido semestralmente. Como a parcela do IR permanece na carteira do investidor do Tesouro Direto até o resgate, continua a render juros que são seus.
  • Comodidade: O investidor aplica, acompanha e resgata os recursos pela internet e ainda pode programar as compras, sem precisar sair de casa.
  • Previsibilidade: por ser uma aplicação versátil (compatível com pequenas e grandes somas, diversos vencimentos e modalidades de pagamentos variadas), permite que o investidor programe os resgates em função das suas necessidades futuras.
  • Diversificação: Como existem vários tipos de títulos, o Tesouro Direto permite que o investidor diversifique suas aplicações, com base em cenários da alta ou baixa de juros e variação da inflação. Há sempre um título vantajoso para cada situação econômica que o país apresenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *